Membrana epirretiniana

Vídeo sobre membrana epirretiniana

Membrana Epirretiniana (MER), também conhecida como maculopatia em celofane ou pucker macular, é uma  membrana fibrocelular semitranslúcida avascular (com poucos ou nenhum vaso sanguíneo) que se forma na superfície interna da retina. Geralmente causa sintomas mínimos e pode ser simplesmente observada, mas em alguns casos pode resultar em perda indolor da visão e metamorfopsia (distorção visual). Geralmente, as MERs são mais sintomáticas quando afetam a mácula, que é a porção central da retina que nos ajuda a distinguir detalhes finos usados ​​para ler e reconhecer rostos

Sintomas

A maioria dos pacientes com MER não apresenta sintomas;  MERs são encontradas ocasionalmente no exame de fundo de olho  ou exames como a tomografia de coerência óptica (OCT). Em tais casos, os pacientes geralmente têm visão normal ou quase normal. Entretanto, as MERs podem progredir lentamente, levando a uma distorção visual vaga que pode ser percebida melhor ao fechar o olho não afetado ou menos afetado. Os pacientes podem notar a metamorfopsia, um sintoma que causa distorção visual em formas que são normalmente retas, como as persianas ou a moldura da porta, parecendo "onduladas" ou "tortas", especialmente quando comparadas ao outro olho. Em casos avançados, isso pode levar à diminuição da visão. Menos comumente, as MERs também podem estar associados à visão dupla, sensibilidade à luz ou imagens parecendo maiores ou menores do que elas realmente são.

Causas

A causa das MERs é um defeito na camada superficial da retina, onde um tipo de célula, chamado de células gliais, pode migrar e começar a crescer em uma folha membranosa na superfície da retina. Esta membrana pode aparecer como celofane e ao longo do tempo pode contrair e causar tração (ou puxar) e franzimento da retina, levando à diminuição da visão e metamorfopsia. A causa mais comum de pucker macular é uma condição relacionada à idade chamada descolamento do vítreo posterior (DVP), onde o gel vítreo que enche o olho se separa da retina, causando micro-rasgos e sintomas de moscas volantes e flashes. Se não houver uma causa específica além do DVP, a MER é chamado de idiopática (de origem desconhecida). As MERs podem estar associadas a várias condições oculares, como rupturas ou descolamentos anteriores da retina, doenças vasculares da retina, como retinopatia diabética ou doença oclusiva venosa; elas também podem ser pós-traumáticas, ocorrer após cirurgia ocular ou estar associadas à inflamação intraocular.

Fatores de Risco

O risco de desenvolver uma MER aumenta com a idade, e pessoas com condições oculares predisponentes podem desenvolver MER em idade mais precoce. A associação mais comum, no entanto, é o DVP. Estudos mostraram que 2% dos pacientes com mais de 50 anos e 20% com mais de 75 anos têm evidências de MER, embora a maioria não precise de tratamento. Ambos os sexos são igualmente afetados. Em cerca de 10% a 20% dos casos, ambos os olhos têm ERMs, mas podem ter vários graus de gravidade.

Diagnóstico

A maioria dos casos de MER pode ser diagnosticada por um oftalmologista durante um exame clínico de rotina. A tomografia de coerência óptica (OCT) é um importante método de imagem usado para avaliar a gravidade da MER. Às vezes, testes adicionais, como a angiografia com fluoresceína, são usados ​​para determinar se outros problemas retinais subjacentes causaram a MER.

Tratamento e prognóstico

Como a maioria das MERs é razoavelmente estável após um período inicial de crescimento, elas podem ser apenas monitoradas, desde que não afetem significativamente a visão.  No entanto, se um exame mostrar progressão e / ou piora funcional da visão, a intervenção cirúrgica pode ser recomendada. Não há colírios, medicamentos ou suplementos nutricionais para tratar MERs. Um procedimento cirúrgico chamado vitrectomia é a única opção em olhos que requerem tratamento. Com a vitrectomia, pequenas incisões são colocadas na parte branca do olho, e o gel vítreo que preenche o interior do olho é substituído por solução salina. Isso permite o acesso à superfície da retina, onde a MER pode ser removido com uma pinça delicada, permitindo assim que a mácula relaxe e fique menos enrugada. O risco de complicações com a vitrectomia é pequeno, com cerca de 1 em 100 pacientes desenvolvendo descolamento de retina e 1 em 2000 desenvolvendo infecção após a cirurgia. Os pacientes que ainda têm seu cristalino natural provavelmente desenvolverão catarata após a cirurgia. Fatores que afetam o resultado visual incluem:

Período de tempo em que a MER esteve presente

O grau de tração

A causa da MER (MERs idiopáticos têm um prognóstico melhor do que os olhos com descolamento de retina anterior ou doenças vasculares da retina.

A cirurgia para MER tem uma boa taxa de sucesso, e a maioria dos pacientes apresenta melhora da acuidade visual e diminuição da metamorfopsia após vitrectomia.

OCT membrana epirretiniana.jpg